segunda-feira, 17 de julho de 2017

Quem são as pessoas que aparecem nas notas de iene, do Japão?

Conheça as figuras históricas homenageadas e os principais elementos de design e segurança nas notas japonesas
A criação do iene foi uma das diversas medidas que modernizou o Japão na Era Meiji (1868-1912). Antes, cada feudo produzia a própria moeda. A emissão de cédulas começou em 1872, após uma reforma monetária baseada no dólar. Desde o fim da 2ª Guerra Mundial, o Japão já produziu cinco séries de notas. A mais recente, a E, de 2004, propôs novos designs para as cédulas  de ¥ 1.000, ¥ 5.000, e ¥ 10.000.

Iene
País Japão
Criação 1871
Cédulas em circulação 15,6 bilhões (em dezembro de 2015)
Número de cédulas 4

Monte Fuji e flores de cerejeira


Dimensões: 15 cm x 7,6 cm
Criação: novembro de 2004
Figura na frente: Hideyo Noguchi (1876-1928), médico japonês, descobridor do agente causador da sífilis
Figura no verso: Monte Fuji e flores de cerejeira, ícones da beleza natural japonesa

Shureimon, Okinawa

Dimensões: 15,4 cm x 7,6 cm
Criação: julho de 2000
Figura na frente: É a única cédula que não traz uma pessoa, e sim uma estrutura. É o Shureimon, um portão construído entre 1527 e 1555 em Naha (Okinawa), considerado tesouro nacional em 1933. Destruído durante a 2ª Guerra Mundial, foi reerguido 20 anos depois
Figura no verso: Uma cena do Conto de Genji e um retrato de sua autora, Murasaki Shikibu (973?-1031?). O livro foi escrito no começo do século 9, durante o Período Helan, e é considerado o primeiro romance literário do mundo.
(Curiosidade: A nota de ¥ 2.000 foi colocada em circulação em 2000 e desde então segue com design inalterado. São bastante raras e dificilmente aceitas como meio de pagamento.)

Flores de íris

Dimensões: 15,6 cm x 7,6 cm
Criação: novembro de 2004
Figura na frente: Ichiyō Higuchi (1872-1896), poeta e contista japonesa. Foi a primeira escritora mulher a ter destaque no Japão moderno. Produziu no período Meiji uma obra que ainda tem grande impacto na literatura local contemporânea.
Figura no verso: Flores de íris da obra Kakitsubata-zu, do artista Ogata Kōrin (1658-1716)

Byōdō-in

Dimensões: 16 cm x 7,6 cm
Criação: novembro de 2004
Figura na frente: Fukuzawa Yukichi (1835-1901), escritor, tradutor, empresário e jornalista, ativista dos direitos humanos. Um dos principais articuladores da modernização do Japão e considerado o “Voltaire japonês”.
Figura no verso: Estátua de uma fênix (hōō), do Byōdō-in. Essa escultura está no Salão da Fênix, no último prédio original do templo budista na cidade de Uji (Kyoto). Presente em diversas mitologias orientais, a fênix simboliza virtude, graça e renascimento

Elementos de design e segurança
design e segurança


A) Alto-relevo
Para facilitar a identificação por deficientes visuais e dificultar a falsificação, elementos são impressos dessa maneira. É o caso dos caracteres à esquerda, na frente, e o símbolo no canto inferior direito (que varia entre cada tipo de nota).

B) Imagem latente
As quatro notas possuem uma imagem secreta, com o valor dela, que só é revelada sob certo ângulo.

C) Marca d1água
Na área central, está oculto o mesmo retrato presente na nota. No lado direito do retratado, há um código com barras também impresso com essa técnica. O total de barras varia: três na nota de ¥ 10.000; duas na nota de ¥ 5.000, uma na de ¥1.000 e nenhuma na de ¥ 2.000.

D) Microimpressão
Desde 1993, as notas apresentam a expressão “Nippon Ginko”, que é a transliteração para o inglês de 日本銀行 (“Banco do Japão”). Só pode ser vista com lupa.

E) Linhas ultrafinas

F) Luz ultravioleta
Desde 1993, essa luz ativa um brilho laranja-dourado no selo do governador. Ela também deixa as extremidades com uma coloração esverdeada.

Tradução dos ideogramas
1) “Cédula do Banco do Japão”
2) Valor da nota (no caso, 1.000 ienes)
3) “Banco do Japão”
4) “Imprensa Oficial Nacional”
5) Nome do retratado (no caso, o médico Hideyo Noguchi)

Eurion constellation
Trata-se de um padrão de símbolos circulares presentes no iene e em outras diversas outras moedas, como o dólar e o euro. Criado em 1996, seu objetivo é permitir que softwares de edição de imagem possam detectar a presença de uma cédula em um arquivo de imagem e impedir que o dinheiro seja adulterado ou reproduzido ilegalmente. No caso dos ienes, o padrão está escondido em detalhes do design, como em flores no fundo da nota de ¥ 1.000.

Holograma
Nas cédulas de ¥  10.000 e ¥  5.000, há um campo com um holograma que exibe, alternadamente, a logomarca do Banco do Japão, o valor da nota em numerais e flores de cerejeira.
Fontes: Mundo Estranho com Japan National Tourism Organization, Banco do Japão e Banco Central do Brasil

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Nome para nova Era no Japão será divulgado em 2018

Nova Era no Japão

O nome da nova era japonesa, que seguirá a abdicação do Imperador Akihito, poderá ser anunciado no início do verão de 2018, juntamente com a data para a sucessão Imperial sob uma lei especial que foi aprovada neste mês.

O sistema de Era japonesa começou com a “Taika”, entre 645 e 650 durante o antigo período Asuka do país, introduzido sob a influência da China, que tinha uma tradição similar até o início do século 20.

A atual Era Heisei, que teve início em linha com a atual ascensão do Imperador ao Trono Imperial em 1989, é a 247º.

O atual nome foi decidido prontamente após o falecimento do Imperador Hirohito, pai de Akihito, no dia 7 de janeiro de 1989. A Era Heisei começou no dia seguinte.

Na época, o governo disse que o novo nome da Era deveria refletir os ideais das pessoas, assumir significados positivos e ter dois caracteres chineses que fossem fáceis para ler e escrever.
Fonte: Portal Mie com Jiji

segunda-feira, 1 de maio de 2017

São Paulo recebe a primeira Japan House, espaço dedicado à cultura milenar japonesa

Projeto traz uma experiência genuína sobre o modo de viver do Japão contemporâneo
Japan House

Um dos maiores redutos da comunidade japonesa fora de seu país de origem, São Paulo recebe a primeira Japan House, projeto do governo japonês para levar ao restante do mundo uma experiência genuína sobre o modo de viver, cultura, gastronomia, tecnologia e negócios do Japão do século 21.

O espaço, localizado na Avenida Paulista, foi inaugurado neste domingo, 30, na presença do presidente Michel Temer, do governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, e do prefeito da cidade, João Doria, entre outras autoridades.

Estima-se que cerca de 1,8 milhão de descendentes e imigrantes japoneses vivam em São Paulo, tornando a cidade e o Estado uma das maiores colônias no mundo.

Depois de São Paulo, Londres e Los Angeles receberão unidades do projeto. “O Japão nos enviou o que há de mais precioso, os seus filhos para o Brasil, e em especial para São Paulo”, comentou o governador Geraldo Alckmin durante o evento de inauguração do espaço. “Essa casa, a Japan House, representa bem a cultura japonesa. Tem sua tradição, seu olhar no presente e no futuro”, completou.

Uma ponte entre os dois países para fomentar contatos, conhecimentos e novos negócios, a casa abrigará, em 2017, oito exposições sobre a cultura milenar do povo japonês. A primeira delas apresentará uma coleção de obras que remetem à cronologia de mais de 150 anos de arte em bambu. A mostra Bambu – Histórias de Um Japão segue até o dia 9 de julho.

Histórias de Um Japão

Abertura para o público
A Japan House abre suas portas para o público no dia 6 de maio. A programação de inauguração terá seu início no dia 7, às 18h, com o concerto dos músicos Jun Miyake e Ryuichi Sakamoto, no auditório do Ibirapuera.

No espaço, além de loja, café e restaurante, exposições, workshops e seminários, os visitantes terão ainda acesso a 1,9 mil livros sobre a cultura japonesa, divididos em categorias como comer, viajar, estilo de vida, arquitetura e design, entre outros.

https://www.facebook.com/JapanHouseSP/videos/751250791703560/

Japan House
Avenida Paulista, 52.
Terça-feira à sábado das 10h às 22h.
Domingos e feriados das 10h às 18h.
Entrada gratuita.
Confira a programação aqui
Site: http://www.japanhouse.jp
Fonte: Alternativa com Portal do Governo

quarta-feira, 15 de março de 2017

Japão aprova lei que permite a abdicação do imperador

imperador Akihito

O imperador Akihito renunciará como única exceção
O parlamento japonês deverá aprovar na sessão atual um projeto de lei que permite ao imperador Akihito abdicar depois que os legisladores da oposição aceitaram a linguagem de compromisso e reduziram sua demanda por legislação permanente.

O texto que os dois lados concordaram deixa aberta a possibilidade de abdicações por futuros imperadores. A conta será submetida à dieta em torno do feriado do Golden Week do Japão da semana que começa no fim de abril.

O presidente da Câmara, Tadamori Oshima, e o presidente da Câmara, Chuichi Date, falaram com os representantes dos partidos governistas e da oposição na segunda-feira. Os dois disseram-lhes que um projecto de recomendação será apresentado quarta-feira, com uma versão final a ser compilado sexta-feira.

Depois de receber a recomendação dos legisladores, um painel consultivo nomeado pelo governo retomará as deliberações em 22 de março, com planos de apresentar sua recomendação final de política em torno de 20 de abril.

O PDL e o Komeito pediram uma legislação especial que se aplicasse apenas a Akihito. Mas os partidos de oposição citaram o Artigo 2 da Constituição, que estipula que as questões de sucessão devem seguir a Lei Imperial da Casa, argumentando que uma única exceção violaria esta cláusula.

Em consideração aos desejos da oposição, a coalizão governante concordou em acrescentar uma provisória suplementar à Lei Imperial da Câmara sobre o assunto, bem como excluir qualquer linguagem que exclua a possibilidade de futuras abdicações. À luz disso, o Partido Comunista Japonês eo Partido Social Democrata aliviaram suas posturas. Na segunda-feira, o PDL propôs esclarecer que a legislação especial deve ser considerada parte da Lei Imperial da Casa, entre outras medidas.

Dadas estas medidas, a legislação especial “poderia, em termos gerais, ser entendida como uma mudança para a Lei Imperial da Casa”, disse o secretário-geral do Partido Democrático, Yoshihiko Noda, aos repórteres na segunda-feira.

O Partido Democrata também insistiu em garantias de que nenhum imperador seria forçado a sair contra sua vontade. “Vamos incluir uma linguagem no projeto de lei que realmente refletem a vontade do imperador”, disse o vice-presidente do PDL, Masahiko Komura, durante as reuniões de segunda-feira.

Em resposta às demandas de que o Conselho da Casa Imperial deliberou sobre a abdicação, “é importante que o governo prometa ouvir as opiniões do conselho”, disse ele.

O Partido Democrata está redigindo seu próprio consenso partidário. A liderança espera obter a luz verde de Noda em uma reunião na quarta-feira.
Fonte: IPC Digital

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Japão planeja ter um novo imperador em 2019

imperador Akihito

O Governo do Japão está planejando permitir que o imperador Akihito se aposente e seja substituído pelo seu filho mais velho em 1º de janeiro de 2019, noticiou a imprensa local nesta quarta-feira (11).

O país agora trabalha em um marco legal para sua primeira abdicação em 200 anos.

Akihito, de 83 anos, expressou em agosto o desejo de abdicar depois de quase três décadas no Trono do Crisântemo, citando sua idade avançada e a debilitação da sua saúde.

Os principais jornais nacionais – Yomiuri, Asahi, Mainichi e Nikkei – citam fontes não identificadas dizendo que o príncipe herdeiro Naruhito, de 56 anos, sucederia seu pai no dia de Ano Novo de 2019.

O secretário-chefe do gabinete, Yoshihide Suga, se recusou a comentar o assunto em uma entrevista coletiva nesta quarta-feira.

Embora as abdicações tenham ocorrido na longa história imperial do Japão, não houve nenhuma nos últimos 200 anos, e as leis vigentes que regem a Casa Imperial não preveem nenhum mecanismo legal para abandonar o trono.

Alguns estudiosos e políticos se preocupam que a questão da abdicação possa abrir uma caixa de Pandora e arriscar que os monarcas do Japão se tornem sujeitos à manipulação política. Segundo a Constituição, eles desempenham apenas um papel simbólico.

Os artigos também disseram que o governo planeja anunciar o nome oficial da era do reinado de Naruhito pelo menos seis meses antes para evitar confusão na vida diária.

Os anos no Japão são numerados tanto em termos da duração do reinado de um imperador, como de acordo com os anos do calendário ocidental.
Fonte: G1

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Distrito de Tsurumi e Vila Carrão assinam convênio de amizade

Intercâmbio foi formalizado entre a NPO ABC Japan e a Associação Okinawa de Vila Carrão

Tsurumi e Vila Carrão
Da necessidade veio a afinidade. O distrito de Tsurumi, em Yokohama (Kanagawa), tornou-se o lar de cerca de 1.100 brasileiros. Para estreitar ainda mais os laços, acaba de ser celebrado um convênio de amizade entre o distrito e o bairro da Vila Carrão, em São Paulo.

O intercâmbio foi formalizado entre a NPO ABC Japan e a Associação Okinawa de Vila Carrão num encontro realizado na sede da prefeitura do distrito de Tsurumi na última sexta-feira (4).

“Existe uma grande concentração de nikkeis aqui do distrito, oriundos da Vila Carrão. O convênio irá fomentar cada vez mais o relacionamento no aspecto cultural e também fortalecer os laços”, explicou o presidente da Associação Okinawa de Vila Carrão, Tério Uehara.

“Vamos nos mobilizar para que o convênio não fique somente no papel. Queremos aproveitar esse intercâmbio para melhorar a comunidade”, acrescentou a presidente da NPO ABC Japan, Michie Afuso.

Nessa reunião também estiveram presentes o prefeito do distrito de Tsurumi, Masakazu Soya, e o cônsul-geral do Brasil em Tóquio, o ministro Marco Farani.

“Será uma boa oportunidade para que se estabeleçam parcerias, sempre com o intermédio da prefeitura de Tsurumi, de modo a preservar a cultura de Okinawa e aproximar o Brasil e o Japão”, destacou o cônsul-geral.
Fonte: Alternativa

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Nissan e Renault fazem parceria com Microsoft para tecnologia de carros conectados

Montadoras planejam lançar mais de 10 modelos com tecnologia de direção autônoma até 2020
Painel da Nissan

Renault e Nissan Motor anunciaram na segunda-feira aliança com a Microsoft para desenvolvimento de serviços de computação em nuvem voltados para veículos, um passo em direção aos planos do grupo franco-nipônico para criar automóveis autônomos até 2020.


Os serviços, baseados no Azure, serviço de computação em nuvem da Microsoft, incluirão navegação avançada, manutenção preventiva e atualizações de software.


Renault e Nissan planejam lançar mais de 10 modelos com tecnologia de direção autônoma até 2020. Em janeiro, a aliança contratou o ex-executivo da Nokia, Ogi Redzic, para liderar os trabalhos na área de carros conectados.


As montadoras anunciaram na semana passada a compra da empresa de desenvolvimento de software francesa Sylpheo para oferecer novos serviços, incluindo transportes urbanos e compartilhamento de veículos.
Fonte: Alternativa

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Jornal japonês contém sementes e se transforma em planta após leitura

Jornal japonês

Você já imaginou quantas toneladas de papel de jornais são descartadas no mundo todo? Isso gera um impacto ambiental gigantesco se ele não tiver o destino correto. Pensando neste impacto que o jornal ‘The Mainichi’, do Japão, fez com que seus periódicos se transformassem em uma planta.

O material é totalmente reciclado e impresso com uma tinta 100% vegetal. Durante a fabricação, sementes de plantas são compactadas no papel e, depois da leitura, basta colocar as páginas em vasos e regar com frequência.

Após algum tempo uma nova planta crescerá e todo o processo poderá recomeçar. Legal, né?

Mas isso não é novidade exclusiva do Japão. No Brasil também já se utiliza esta técnica, como se vê no site da Papel Semente.

É possível transformar convites, cartões, tags, folders, faixas e embalagens em papel semente. Ou seja, nem tudo precisa virar lixo.
Fonte: IPC Digital

sábado, 6 de agosto de 2016

Hiroshima relembra 71° aniversário da bomba atômica e renova pedidos de paz

O primeiro-ministro Shinzo Abe e o prefeito de Hiroshima Kazumi Matsui fizeram declarações contra o armamento nuclear
Hiroshima

Na manhã deste sábado (6) Hiroshima relembrou o triste aniversário de 71 anos da explosão da bomba atômica na cidade, que vitimou cerca de 140 mil pessoas de forma direta ou indireta.

A explosão ocorreu as 8h15 da manhã do dia 6 de agosto de 1945, quando o Boeing B-29 Enola Gay, comandado pelos Estados Unidos, lançou a primeira bomba atômica do mundo sobre civis. A bomba de Nagasaki viria três dias mais tarde, culminando na rendição do Japão na Segunda Guerra Mundial.

Nesta manhã, o Parque Memorial da Paz de Hiroshima foi palco de um evento de homenagens e reflexões, que reuniu 50 mil participantes. Entre eles, milhares de sobreviventes e parentes de vítimas, conforme informou o jornal Yomiuri e a emissora NHK.

O prefeito de Hiroshima Kazumi Matsui fez um pronunciamento relembrando as palavras de consolo e paz do presidente americano Barack Obama, que visitou a cidade em maio deste ano e se tornou o primeiro líder dos Estados Unidos a conhecer Hiroshima.

“O mundo precisa agir com solidariedade e desenvolver uma forte paixão que seja capaz de por um fim no armamento nuclear”, disse o prefeito com convicção.

O primeiro-ministro Shinzo Abe, que também participou da cerimônia, reforçou o repúdio as armas nucleares. “O desenvolvimento de armas nucleares precisa ser proibido em nível mundial para que possamos garantir um mundo livre desta ameaça”, frisou.

Até março deste ano, o número de sobreviventes vivos das bombas de Hiroshima e Nagasaki somavam 174.080 pessoas, com idade média entre 80 e 86 anos. No último ano, o número teve queda de 9.439 pessoas de acordo com os dados oficiais do governo.
 Fonte: Alternativa

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Japão vai ter moeda de mil ienes em comemoração às Olimpíadas e Paralimpíadas 2020

 moeda de mil ienes

O Ministro das Finanças, Taro Aso, anunciou na terça-feira (12/jul), que ficou definido o lançamento da moeda de mil ienes em comemoração às Olimpíadas e Paralimpíadas Tokyo 2020.

O lançamento deverá ocorrer ainda este ano, cujo design e valor de mercado ainda não foram anunciados.
Ao olhar para trás, mais de 50 anos, a moeda lançada em 1.964 para as Olimpíadas realizadas no Japão, esgotou-se rapidamente no mesmo dia.

A reportagem da ANN foi conferir em quanto está avaliada uma moeda adquirida na época, depois de 52 anos. A variação é grande. Se usada e com riscos, vale cerca de 2 mil ienes, ou seja, o dobro. Se é nova vale 20 mil ienes, ou 20 vezes mais.
Fonte: IPC Digital